g2h

level

quinta-feira, 7 de abril de 2011

Parapente no Brasil

Parapente no Brasil, com muitos praticantes hoje em dia, essa moda veio para ficar em nosso Pais.
Considerado aeroplano tendo asa inflável e bem parecido com o pára-quedas.Tendo seu vôo dinâmico permitindo ao piloto controlar ascendência e direção. Tudo isso depende das condições do vento e suas correntes.

O Velame feito de materiais como o nylon e o poliéster não porosos e impermeabilizados, para que o ar que entra não saia através do tecido, mantendo assim a pressão interna e o velame inflado. Quanto mais horas de vôo e exposição ao Sol, mais desgastado fica o velame, causando a perda da impermeabilidade e aumentando a porosidade, tendo assim uma diminuição da performance.
O velame varia de tamanho de acordo com o peso do piloto mais o equipamento, e para vôos duplos a área da vela pode aumentar em até 50% o seu tamanho.

Células
Os gomos do parapente também chamados de células podem variam de quantidade de um modelo para outro diferenciando assim a performance
Extradorso
A parte de cima do velame ou seja as costas também chamado de extradorso.
Intradorso
Chama-se Intradorso a parte de baixo do velame ou seja a barriga onde se prendem as fileiras de linhas.
Estabilizador
O Estabilizador é a ponta do velame e visa a estabilidade em torno do eixo vertical, faz também que o parapente aproe para o vento e funciona impedindo a passagem de parte do ar do intradorso que tem pressão maior, passe para o extradorso que tem pressão menor diminuindo assim o aumento do arrasto causado pelo turbilhonamento da ponta da asa.
Bordo de ataque
Bordo de ataque que é a parte da frente das células do velame onde se encontram as aberturas por onde o ar entra. Já na Borda de fuga a parte de traz do velame que é costurada para o ar não sair e onde as linhas do freio atuam para que se possa fazer as curvas, através da deformação de um dos lados ou diminuir a velocidade atuando dos dois lados ao mesmo tempo.
Freios
Também tem freios que são a união dos batoques e linhas usadas para frear e direcionar o Parapente, usado para aumentar a sustentação na decolagem, e no pouso para amortecer a chegada, o freio é muito importante pois através dele é que sentimos a variação de pressão do velame em vôos turbulentos é necessária uma pilotagem ativa aumentando e diminuindo a tensão na linha de freio para compensar a variação de pressão, fico imaginando a sensação de freiar em pleno ar.


Elevadores ou tirantes
Tiras que unem as linhas aos mosquetões e são formadas por 3 a 5 elevadores São classificados como tirante A podendo-se ter 2 tirantes sendo um para fazer orelhas, B, C, D.
Batoques
São as argolas que o piloto usa para segurar, ligadas a linhas de freio


Acelerador
Dispositivo usado para encurtar o elevador dianteiro do parapente mudando o ângulo da vela para aumentar a velocidade.
Trimmer
É um dispositivo usado para alongar o elevador traseiro do parapente.
Este dispositivo atua mudando o ângulo ALFA do parapente chamado também de ângulo de ataque, o que altera a velocidade horizontal e vertical do parapente, fazendo com que ele voe mais rápido ou mais devegar.
Linhas
São as linhas do parapente que unem o velame aos tirantes e são feitas de vários materiais como o kevlar.
Suspensão
É composta pelas linhas que unem os elevadores ao velame, a mais comum nos dias de hoje é a suspensão linear, tendo cada tirante uma fileira individual de linhas.
Mosquetinhos
Feitos de aço ligam as linhas aos tirantes.
Selete
É a cadeira de vôo, existem vários tipos:
• a de escola, para iniciantes treinarem, são usadas para inflar e fazer pequenos vôos a baixa altura, Também usadas para levar passageiros em vôos duplos, não possui pára-quedas reserva;
• a de vôo duplo, projetadas para o piloto que carrega passageiros, ela tem uma abertura permitindo maior mobilidade para as pernas e possui um pára-quedas reserva para duas pessoas;
• a de vôo solo, usada por todo nível de pilotos com vários modelos e variam nos itens de fabricação.


Preparação de parapente no Horizonte Perdido, em Araxá.
Pára-quedas reserva
Acessório de uso obrigatório para segurança em vôo.
Usado para emergências no caso de colisão em vôo, desinflar e engravatar, causando a perda de altitude irreversível. O tamanho do pára-quedas reserva varia com o peso a ser sustentado. O tipo mais utilizado é o redondo, semelhante a utilizado por militares porém este modelo possui pouca ou nenhuma dirigibilidade (levado pelo vento), existem outros tipos, como o Rogalo que tem a forma semelhante a de um triângulo e permite o controle do voo até o solo, podendo o piloto escolher um melhor local para pouso.
Óculos de sol
Importantes para poder pilotar melhor sem que ao olhar para a vela o Sol o atrapalhe, é importante que as lentes tenham realmente proteção UV
Capacete
Item obrigatório de voo, para proteção caso o piloto ou passageiro em um pouso forte bata a cabeça, arborize ou caia na decolagem.
Botas de vôo
Tem proteção lateral para não torcer o tornozelo no caso de pousar forte ou caminhadas em terreno irregular.
A modalidade mais popular do parapente, tendo como objetivo voar a maior distância no menor espaço de tempo possível. Normalmente nos campeonatos de Cross

Acrobacia muito radical exigindo muita perícia do piloto.Se você gosta de muita emoção existem cursos só para que deseja ficar fera em acrobacias.

Pedimos a quem tem uma foto sua em parapente mande para eliotu@estrelar13.com , que publicaremos e faremos as devidas referencias.


PESQUISE NO GOOGLE

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens populares

Google+ Followers

Google+ Badge

PESQUISE NO GOOGLE

PESQUISE NO GOOGLE